quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Em Saint Emilon, o Melhor Jantar!

Oi gente! Continuando a viagem, chegou a vez de falar de Bordeaux. Passamos três dias pela região e juro, aprendi mais sobre vinhos nestes dias do que em todos os anos de Cave. Pelo menos nessa região, tô craque! Sei direitinho diferenciar o que é uva, o que é região, o que é produtor, o que é nome de fantasia. Nada como aprender in loco...
Chegamos na cidade de Bordeaux já de tarde, deixamos nossas coisas no hotel e fomos direto, de carro, para Saint Emilion, uma cidadezinha medieval e grande produtora de vinhos, terra do famoso Château Berliquet e do Cheval Blanc...Já na ida para a cidade, fomos encontrando os vinhedos e parando para tirar fotos. Olha, pra gente que fala de vinhos há anos, estar lá, num vinhedo da França, é moeeeta emoção, shorey lágrimas de cabernet!!!!Olha que lindinha a cidade:






Lá, em cada ruazinha existe pelo menos umas três lojas de vinhos. Entramos numa e ficamos fascinados com os rótulos que vimos: Château Margaux, Château Petrus, Château Haut Brion, tudo estava lá. O preço de um Château Petrus? Módicos
1850€...Embrulha três e fica com o troco-brincadeirinha,né?


Quando anoiteceu, nos dirigimos ao Hostellerie de Plaisance, um restaurante 2 estrelas no Michelin, pertencente à rede Relais & Châteaux, cujo o chef Philippe Etchebest ganhou o título de Meilleur Ouvrier de France 2000! Parecia coisa boa, não? E era...Gente, este aqui foi seguramente o melhor jantar de toda a viagem e talvez da minha vida. E olha que eu como... Dá uma olhada no salão do restaurante e na fachada dele:



Pedimos logo uma champagne e então veio o maitre nos dizer que para acompanhar a bebida o chef tinha criado uma espécie de triologia, pequeníssimas entradinhas que vinham em gotas de cristal, para serem servidas de cima para baixo. Hã?
Claro que pedimos e quando chegou a armação com as gotas transparentes trazendo as comidinhas eu quase tive a certeza de que tinha morrido e ido para o céu.Saboreamos então uma saladinha de ostras, uma terrinezinha de potimarrons (tipo a castanha-portuguesa) com trufas e juro, me esqueci da outra, sorry .


Daí começamos com o menu propriamente dito. Lá só se serve menu degustação então todo o serviço é feito simultaneamente em todas as mesas como se fosse um grande ritual mágico de sabores. Primeiro foi servido um Mise en bouche, mesma coisa que amuse bouche, que era um velouté de qualquer coisa com trufas, creio eu. Divino!


Depois fomos para uma Cèpe En Salade, que era uma terrine feita de beringela, com um consomê de cogumelos em geléia, castanhas torradas e vinagre balsâmico. Lindo e tão tentador que quando lembrei de tirar a foto dele já tinha comido. Sorry outra vez...
Para acompanhar, tomamos uma taça do branco Château Chantegrive 2007 Cuvée Caroline, da região de Graves.

Daí, eis que chega uma espuma branca com algo por baixo que ninguém sabia dizer o que era. O graçon veio e nos explicou que se tratava de um ovo, o Oeuf de Poule, simplesmente um poché cozido em baixa temperatura, com igredientes que o meu francês não me permitiu conhecer: Jabugo 5 notas seja lá o que seja isso, tobiko ao wasabi,topinambour (que descobri ser um tubérculo primo da batata-doce),crumble e mousse de parmesão. Coloquei na boca e...Para tudo! Caraca, o que era aquilo, nunca em toda a minha vida eu poderia imaginar que com um ovo se pudesse fazer algo tão magnífico!!!Com este ovinho simplezinho, foi nos servido uma taça de um Savennières 2006 Le Bel Ouvrage D. Laureau:

Daí veio o Bar de Ligne, que era um robalo, com castanhas, raiz de cerefólio,batata vitelotte, geléia de maçã verde e o mais impressionante, num molho trufado de carne. Peixe com molho de carne? Pois é e estava uma couuuuusa!O vinho servido foi o Vosne Romanée 2000 Les Suchots Lemoine.


Palmas para o robalo, nos chega o Agneau Princier, um cordeiro confiteado, acompanhado de uvas-passas,óleo de sésamo, ervilhas e molho tandoori da própria carne. Servido com um tinto de responsa, Château Millens 2004, St Emilion Grand Cru, desculpa ...


Continuando o banquete, nos foi trazido pelo garçon um enoooorme buffet de queijos para que escolhessemos quais quiséssemos.Azuis, camemberts, bries, gruyères, cabecous e outros cujo o nome não lembro, selecionados por Pierre Rollet, um grande produtor de queijos de Bordeaux. Detalhe: sou uma queijólatra,depois de muito pensar acabei escolhendo alguns, começando pelo cabecou que estava doida pra provar. Como vinho, tomamos um Clos L'Eglise 2000, Côtes de Castillon.


Queijos aprovados, hora das sobremsas. Eu disse das...
Primeiro um sorbet de pamplemousse com uma panacotta de flor de laranjeira e mel. Refrescante e gostoso. Depois, o Le Chocolat, que era uma mousse de chocolate recheada com menta e algumas outras cositas mais. E quando eu pensava que já tinha comido de tudo, lá vem o garçon com outra, a La Fraise des Bois, uma taça com morangos do bosque, calda de morango, creme fresco e amêndoas grelhadas.Uau!
Como vinho, um Sauternes, Château Doisy Vedrines 2002, di-vi-no!




Ahhhhhh. Acabou né? Not!
Vem o cafézinho e lá vem o garçon, este monstro que deve ter acordo com o Amaral, o meu médico que fez a minha lipo há dois anos. O cara nos aparece sorrindo com um novo buffet, de macarrons, trufas, tartelettes, chocolates, profiteroles e sabe Deus o que mais... Para o avião que eu quero descer!!!!! Nada gente, eu comecei literalmente a bater palminhas, inclusive meu cunhado me olhou e mandou eu me acalmar. Vergonhoso...Mas olha só isso:



Nota 10, 10, 10, para todos os quesitos!!!!!
E amanhã tem mais...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget