segunda-feira, 19 de abril de 2010

Noite Portuguêsa Com Certeza

No sábado passado eu e meu marido tivemos um dos nossos eventos gastronômicos favoritos: Jantar da Cave. Já falei aqui deste nosso grupo que recentemente completou 10 anos de atividade, marcada com uma viagem a Paris e aos vinhedos de Bordeaux em outubro passado. Mas para quem ainda não leu, a Cave é uma confraria que reune 5 casais de amigos que se encontram (gostaria de dizer uma vez por mês, no entanto com o dia-a-dia corrido acaba não acontecendo tão frequentemente como seria o ideal)cada vez na casa de um, para degustar vinhos e boa gastronomia. Funciona assim> quem recebe cuida do jantar, que deve ser impecável, contar com pelo menos três cursos e quando possível, estar dentro de um tema original. E quem visita leva os vinhos, que devem ser combinados entre os casais antes, para que durante o evento possamos degustar vinhos brancos, tintos e de sobremesa. O casal anfitrião ainda tem a tarefa de servir alguns espumantes antes e (não obrigatoriamente) ofertar brindes aos convivas ao final.Tem ainda, o direito de convidar um casal de amigos que não faça parte da confraria, o que torna as nossas reuniões sempre diferentes e imprevisíveis já que os nomes dos convidados são mantidos em segredo total até a hora do encontro.
O Jantar de Sábado
Recebemos o convite, que reproduzia um azulejo português, mais ou menos uma semana antes da data, indicando que aquele seria um jantar Além Mar. Começamos logo as nossas apostas: Jantar português? Ah, claro que vai ter bacalhau e polvo. E talvez doces de ovos. E pastel de belém. Jantar Português? Ah, como não pensamos neste tema antes????
Chegamos pontualmente na casa da Karina e do Ricardo, o casal anfitrião. A sala estava toda decorada com uvas verdes, orquídeas brancas e lírios brancos que exalavam um suave perfume. Nos acomodamos no sofá e nos encantamos com as entradinhas: diversos tipos de patés vindos diretamente da Fauchon, a loja dos sonhos dos gourmets do mundo!Acompanhavam os patés fatias de pão ciabatta e azeite português, claro.





Começamos a ficar curiosos com o que viria a seguir. O resto dos convidados foram chegando trazendo a primeira surpresa da noite:não haveriam convidados extras, apenas nós, os 5 casais do grupo.
Mas a melhor surpresa veio a seguir, quando fomos informados que o nosso jantar seria preparado pelo chef Thiago Castanho, o novo queridinho de chefs renomados como Claude Troisgros, com quem já dividiu as panelas. Thiago, jovem paraense que estudou gastronomia na Europa e voltou para tomar conta do famoso restaurante dos pais, o Remanso do Peixe, já recebeu elogios em jornais como A Folha de São Paulo e será, sem dúvida, o novo embaixador da culinária paraense mundo afora.
Primeiramente, como entrada, nos foi servido uma brandade de bacalhau com migas de azeitonas secas, que estava uma maravilha!

Depois, como primeiro prato, um polvo a lagareiro com pão rústico. Deixei o pão de lado e resolvi comer somente o polvo, macio e perfeito, como não havia ainda comido.

Como segundo prato, veio o bacalhau ao pilpil com batatas ao murro e alecrim. Neste momento então Thiago mostrou a razão de tanto sucesso, pois o bacalhau simplesmente se desmanchava em nossa boca, se tornando sem dúvidas o melhor bacalhau que já comi, superando mesmo aqueles que comi em restaurantes estrelados de Lisboa. Sorte minha.

Seguindo-se a este, veio um porco confit com berbigões, laranja kinkan e purê de mandioquinha. O porco estava divino, derretendo. Os berbigões, que fui saber serem moluscos,vieram bem pouquinhos e sinceramente não teriam feito falta, tornando-se ao meu ver a única falha em todo o jantar. E com uma falha tão pequena, quem é que ia reclamar? Passei a vida inteira sem degustar berbigões, não iria reclamar pela falta ou a insignificância deles... A laranja kinkan, veio em forma de coulis, ou molho, dando um toque cítrico ao prato.

E daí vieram as sobremesas: primeiro uma tortinha de maçã muito semelhante à Tatin francesa, só que com queijo camembert em cima derretendo. França meets Portugal. E depois, um pudim à Abade de Priscos com sopa fria de laranja e bacuri com espuma de chocolate branco. Pensem numa sobremesa boa. Agora tripliquem. Ai, como eu queria comer de novo essa maravilha!!!!


E todo este banquete sendo servido com vinhos como Garrafeiras, Esporões Private Selection branco,Touriga, Dolcetto D'Alba, os de sobremesa Late Harvest e um do porto Taylors,que não poderia mesmo ficar de fora.
É, comemos como reis e rainhas e bebemos como tais, numa noite onde Portugal se fez presente.
Vejam a foto do chef Thiago, acompanhado de sua namorada Hilka, também chef e recém chegada de...Portugal, onde também fez cursos de gastronomia, mais a fiel escudeira da Karina, a esperta e querida Elza.

E uma com o grupo reunido.

Mal posso esperar o próximo jantar, que por sinal, será o meu. Ai, que responsa...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget